Não dá pra saber se você vai embora
Não dá pra saber se sou eu que vou
Não dá pra saber o que nos espera
O que será de nós?

A verdade é que

Não quero saber se você vai embora
Não quero saber se sou eu que vou
Tô nem aí pro que nos espera

Se eu posso te ver bem aqui pertinho
E posso sentir de leve teu ar
Te aquecer com meu próprio corpo
Um abraço, num agora
E o depois?
A gente vive quando chegar

Vem cá pro colo meu, meu pequenino
Deixe a mãe ninar você

Se jogue nos meus braços
Me dê beijos babados
E deixe eu te morder

O Ben, que bem me faz!
Faz bem te bem-querer
Meu bem, eu amo você.

Pum pum pum
Quero soltar um pum

Vamos, barriguinha
Vamos trabalhar
Bota esse pum pra fora

Vamos, barriguinha
Vamos trabalhar
Manda esse gás embora

Dá dó da dor que dá
Ai, barriguinha, vamos trabalhar

Éramos dois andando por aí
Caçando bons motivos pra sorrir
E, então, você apareceu
Benjamin
Benjamin
Benjamin
Agora somos três
Vou cantar mais uma vez



Vou olhar pela janela só pra ver se o tempo passa lá fora
Que aqui, junto de você parece que o tempo só sabe correr

Que que é que você faz
Que me deixa assim tão 
Que me faz assim tão 

Me diz
Faz de novo
Me faz feliz


Que é que há de errado no agora pra você o ignorar?
Está sempre a apressar a demora esperando a tal hora
Sem saber que pode ser da vida não esperar

Mesmo você olhando pra mim
Eu consigo te ver
Olhando pro infinito
Caçando um motivo pra estarmos aqui

Mesmo você estando aqui
Eu consigo te ver
Procurando um motivo
Pra deixar tudo como está

Mas, meu bem, não importa onde vá
Estarei sempre a te observar
Porque em você eu tatuei meu amor

Meu bem, não importa onde estará
Vai sempre levar um pedaço de mim

Não faça de mim um passado
Não faça de nós um erro
Não exalte o que há de errado
Não ensaie entre nós um desfecho
Não mate o que há de mais belo
Não escolha deixar pra lá
Se for pra deixar, me deixe
Tentar e tentar e tentar
Mais uma vez
E quantas mais precisar

Não dê um fim nessa história
E não nos deixe pra trás
Não ignore as memórias
Admito eu erro demais
Mas ainda assim eu te quero
E sei que você já me quis
Deixe eu tentar de novo
Deixe eu te fazer feliz

Se for pra deixar, me deixe
Tentar mais uma vez
Mais uma vez
E quantas mais precisar. 

Até o mar parou pra ver
Lá de cima do céu
eu olhando pr'ocê

O espaço entre nós aumentando
A saudade apertando o peito
E eu aqui sozinha cantando

Pra avisar pras estrelas e a lua
Pra convencer a quem não se conhece
Pra sarar o corpo que padece
Canto que a minh'alma 'inda é sua. 

E só
de tentar me ater a mim
de tentar viver sozinha
tentar não cuidar de mais ninguém
Dá dó
é tanta besteira que eu faço
tanto nó que eu mesma ato
que não sei o que é pior
que eu pra você.

Que loucura o que a vida faz
Carece ter sempre um jeito
Um pedaço imperfeito
Um drama, um medo
Um seio  

Que procura e que grita paz
Parece ter  um leito
Um abraço no peito
Uma trama, um segredo
Um meio

Que o coração elege pra descansar. 



Espero o dia chegar
Que é pra saber se o futuro vem

Espero o dia passar
Que é pra aguardar o que há de vir

Tá bom.
Mas veja só!
Talvez só
Cansei de esperar que o destino me anime, enfim
Talvez seja eu dependente de mim, ah, eh.
ai, ah.

Só de mim

Quem sabe controlar o vento
Me diga a chave pra voar
Tem horas que o meu pensamento
É demais pra eu segurar

Cair de bem alto, bambo
É certo o tombo
Incerto é o lugar

Correr pra acertar o alvo
Não me deixa a salvo
Do tempo passar

Se tudo tem hora certa
Me deem o tal relógio pra eu acompanhar
Me esforcem pra atingir uma meta
Que eu já estou aberta pra nem mais tentar

Eu encontrei aaa
A pessoa certa pra mim
Foi em você aaa
Que eu vi o que eu sempre quis

Eu vi em você o espelho do eu
Eu fiz de você extensão de mim
Mas eu errei e foi assim que eu descobri

Que eu encontrei aaa
A pessoa certa pra mim
Foi em você aaa
Que os meus olhos me viram enfim

Eu descobri aaa


E agora assim tão só
Me diz o que é pior
Que manter nó
entre nós dois

Me vê e não tem dó
mas sabe até de cór
se limitar a pó
guardar voz pra depois

Mas, ó!
Você vai descobrir que culpa não tem patrão
Que não há amor que perca pra paixão
Que se alguém desistir, então
é porque nunca houve aqui um par.

Fez tanto em procurar e agora que encontrou, amor ?
Fiz nada pra me achar e mesmo assim você tentou
Me tirar da solidão de estar sozinho
E acreditar que o coração é só pra pulsar
E então?


De desejo, de vontade, de ambição
Um pedido de ter,  de ver, de ser
E se é mesmo que se quer, então
Concedido vai ser,  de ver pra crer


E se não era pra ser e mesmo assim se quis
Concessão
Se é dívida qual o preço pra tentar ser feliz?

Não saber esperar é o motivo
Perder a esperança é a razão
A consequência vai doer
Mas ao pedido
Concessão

Eu vi nos seus olhos seus planos de longe acenando pra mim
E eu só estava de cá a observar que agora é o meu fim
De todos projetos e sonhos que juntos fizemos não pude forçar
O futuro que é certo a gente não sabe e as certezas futuro não faz

E cá pra mim não sei se é aqui ou quando vai ser que eu enfim vou
Cá pra nós eu sei o que vai ser e bem sei o porquê não sei quem eu sou
Já é tempo de sermos à sós, sermos pra nós um eu e um você
Um novo começo, eu sei dói, mas livremos dos nós pra da vida a vida ser




Aí, você vem me lembrar
de tudo o que não fiz
e assim foi que fiz te chatear
ah, ah, aah



Assim eu vou contando em canto
os tantos pontos que demais eu me vesti
Num tanto desencanto de um claro desapontamento
De mim eu me perdi


Me privei de ver o sol
Me privei de ter o mar
Me troquei por nada e fiz
meu ar a mim anular(?)

Talvez de lá não desse pra ver
Ou só, talvez, não quisesse entender
Mas cá pra cá eu descobri
Que não há mais nada em mim

Pra mudar meu coração

Já fiz de tanto, e de tanto já foi feito
De extremo a extremo, de meio em meio
Nada há em mim e em mais ninguém

Nada há em lugar algum
Pra mudar meu coração

Quando não quer se ouvir todo um corpo fala
Quando não quer entender o mesmo corpo para
O que é pra sempre sempre continua

E ainda assim me faz saber
Nada há em lugar algum
Pra mudar meu coração